albatroz - images, songes & poésies

albatroz - images, songes & poésies

antero de quental, do inglês de edgar poe

IV
Do inglês de Edgar Poe
Não sei se era teu seio ilha encantada...
       Paraíso de canto,
De perfume, d'amor e formosura...
Se um templo à beira mar... um templo santo
       De luz e aroma cheio!
Não sei... pois sabe alguém sua ventura?
Mas dormia embalada no teu seio
Minh'alma sossegada.

       Um suspiro... uma prece...
Leva-os o vento pela noite escura!
       Sonho!... um sonho que esquece!
Mas não se esquece o sonho da Ventura!
Que fantasma nos brada — avante! avante!
       Esquecer! esquecer! — ?
       O coração não quer!
Não quer... não pode... luta vacilante! 
Onde teve seu ninho e seu amor,
Aí há-de ficar, sombrio, incerto 
Há-de ficar, pairar no céu deserto,
      Ave eterna de dor!

      — Nunca mais! nunca mais!
Que diz a onda à praia? há um destino
Triste, partido, em seu gemer divino,
E um mistério infeliz naqueles ais!
      — Nunca mais! nunca mais!
E o coração que diz às mortas flores
      Do seu jardim d'amores?
      Como a onda — jamais!

Se eu pudesse sonhar? Ah! posso ainda
       Sonhar... se for contigo!
Sempre! sempre a meu lado, imagem linda...
A noite é longa... vem falar comigo!
       Estende os teus cabelos...
O céu da tua Itália, não, não brilha
Como brilham meus sonhos, vagos, belos,
Se me falas à noite em sonhos, filha!

Levaram-te! levou-te a onda dos mares!
      A asa da águia! o vento!
Geme cativa — chora sem alento,
Pomba d'amor, saudosa dos teus lares!
Teu ninho agora é triste, glacial...
      Um leito conjugal!
Antes a terra escura, pobre escrava,
Aonde — sob a abóbada sombria —
Tua alma os vôos livres estendia...
       E o coração amava!



Antero de Quental
Primaveras Românticas
prefácio de 
Nuno Júdice
colares editora


29/12/2006
0 Poster un commentaire

A découvrir aussi


Inscrivez-vous au blog

Soyez prévenu par email des prochaines mises à jour

Rejoignez les 828 autres membres