albatroz - images, songes & poésies

albatroz - images, songes & poésies

alexandre o'neill, a morte, esse lugar-comum...

A morte, esse lugar-comum...

É trivial a morte e há muito sabe
fazer – e muito a tempo! – o trivial.
Se não fui eu quem veio no jornal,
foi uma tosse a menos na cidade...

A caminho do verme, uma beldade
– não dirias assim, Gomes Leal? –
vai ser coberta pela mesma cal
que tapa a mais imensa fealdade.

Um crocitar de corvo fica bem
neste anúncio de morte para alguém
que não vê n'alheia sorte a própria sorte...

Mas por que não dizer, com maior nojo,
que o menino saiu do imenso bojo
de sua mãe, para esperar a morte?...

Alexandre O'Neill

(de Abandono Vigiado, 1960)



17/12/2006
0 Poster un commentaire

A découvrir aussi


Inscrivez-vous au blog

Soyez prévenu par email des prochaines mises à jour

Rejoignez les 828 autres membres