albatroz - images, songes & poésies

albatroz - images, songes & poésies

luís de camóes, catarina bem promete

Vilancete
Cantar Velho


Catarina bem promete.
Ora má! Como ela mente!

Voltas

Catarina é mais formosa
para mim, que a luz do dia;
mas mais formosa seria
se não fosse mentirosa.
Hoje a vejo piedosa,
amanhã tão diferente;
que sempre cuido que mente.

Prometeu-me ontem de vir,
nunca mais apareceu.
Creio que não prometeu
senão só por me mentir.
Faz-me, enfim, chorar e rir:
rio quando me promete,
mas choro quando me mente...

Jurou-me, aquela cadela,
de vir, pela alma que tinha;
enganou-me: tinha a minha,
deu-lhe pouco de perdê-la...
A vida gasto após ela,
porque ma dá, se promete,
e tira-ma quando mente.

Má, mentirosa, malvada,
dizei: por que me mentis?
Prometeis, e então fugis!
Pois sem tornar, tudo é nada.
Não sois bem aconselhada,
que quem promete, se mente,
o que perde não no sente...

Tudo vos consentiria
quanto quisésseis fazer,
se este vosso prometer
fosse por me ter um dia.
Todo então me desfaria
com gosto; e vós, de contente,
zombaríeis de quem mente...

Mas, pois folgais de mentir,
prometendo de me ver,
eu vos deixo o prometer,
deixai-me vós o cumprir.
Haveis então de sentir
quanto fica mais contente
o que cumpre, que o que mente.

Catarina me mentiu
muitas vezes, sem ter lei,
e todas lhe perdoei,
por uma só que cumpriu.
Se, como me consentiu
falar-lhe, o mais me consente,
nunca mais direi que mente...



Luís de Camões

1524-1580
in "Camões Lírico, Antologia Portuguesa"



24/12/2006
0 Poster un commentaire

A découvrir aussi


Inscrivez-vous au blog

Soyez prévenu par email des prochaines mises à jour

Rejoignez les 831 autres membres