albatroz - images, songes & poésies

albatroz - images, songes & poésies

antónio aleixo, quadras

Quadras

 

Riem d'outras com desdém
Certas damas bem vestidas;
Quantas, para vestir bem,
Se despem às escondidas!



Porque as pequenas se encostem,
Não vos deve causar espanto...
Eu não estranho que elas gostem
Do que nós gostamos tanto.



Onde passas deixas rasto;
Qualquer homem te seduz.
— O teu marido é padrasto

Dos filhos que dás à luz.


Não és alta nem és baixa;
És a mais linda entre flores.
É pena servires de caixa
A tantos engraxadores.


Quando com outro te vi,
Pensei, sem que tu notasses:
«Já quis dar tudo por ti...»
Hoje, nem que me pagasses.


Certas viúvas discretas,
De luto pesado em cima,
Lembram cachos de uvas pretas,
A pedir outra vindima.


Voce é tão pequenino,
Que um dia, quando casar,
Estará deitado na cama
E a mulher não o há-de achar.


António Aleixo

1899-1949
in "este livro que vos deixo...", Casa das Letras



23/12/2006
0 Poster un commentaire

A découvrir aussi


Inscrivez-vous au blog

Soyez prévenu par email des prochaines mises à jour

Rejoignez les 828 autres membres